Experiência dos espelhos de Arquimedes

2011-10-20 - Espelhos de Arquimedes 07 (170x128)

No passado dia 20 de Outubro, simulámos o “Raio de calor” que fez com que Arquimedes contra-atacasse a armada romana (ver texto Um pouco de História e de Ciência)
A nossa experiência teve várias etapas:
1. Começámos por construir um barco em papel de jornal;
2. De seguida juntámos os vários espelhos côncavos e concentramos os seus focos num só ponto (esta foi a etapa mais difícil, uma vez que os espelhos eram de uso doméstico);
3. Por fim, colocámos o nosso barco exatamente no foco e aguardamos.

2011-10-20 - Espelhos de Arquimedes 07 (737x553)

Não conseguimos fazer chama, mas o papel queimou e sem dúvida sentimos o cheiro característico de uma combustão.
Não foi imediato, mas para fazer ciência a persistência é sempre uma boa aliada.
Estudantes de engenharia de várias universidades e até os famosos “caçadores de mitos” tentaram recriar este episódio. Também nós, n’As Descobertas, decidimos tentar fazê-lo…
A nossa experiência teve como principais participantes os alunos Miguel Lobato, Miguel Fernandes e Beatriz Clara, que não desistiram enquanto não viram fumo!

2011-10-20 - Espelhos de Arquimedes - Video 03.mpg

(Carregue aqui para ver o vídeo).

Um pouco de História e de Ciência
1319203416Segundo a lenda, o rei Hierão de Siracusa estava constantemente preocupado com a defesa da sua cidade das ameaças de invasão por parte do poderoso exército e marinha romanos. Por isso resolveu contratar o inventor, físico, matemático, filósofo e engenheiro Arquimedes para projetar e construir dispositivos de guerra para contra-atacar os romanos. Para isso, inventou várias armas de guerra, incluindo catapultas, a terrível “Mão de Ferro”, um “Canhão a Vapor” e aquilo que ficou conhecido como o “Raio da Morte” ou “Raio de Calor”. Segundo a história, este último era constituído por um conjunto de espelhos côncavos, com o intuito de concentrar os raios do sol e atear fogo aos barcos romanos.
Ao longo da história, vários historiadores e cientistas divergiram quanto à viabilidade do episódio do incêndio dos navios com os meios de que ele dispunha na época, no entanto, outros afirmaram que teria sido possível.